Homenagens

Foto 1 Foto 2 Foto 3 Foto 4

A exposição Jogos Paralímpicos - Espírito em Movimento idealizada pela 6° Virada Inclusiva, coordenada pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, abordou uma narrativa histórica sobre as Paralimpíadas, desde as primeiras disputas esportivas com a participação de soldados que ficaram com deficiência na 2ª Guerra Mundial até a atualidade, quando o Brasil se torna uma potência nos Jogos Paralímpicos e sedia os jogos em 2016, no Rio de Janeiro. Através de 22 painéis, a exposição elucidou o conceito do termo paralimpíada, citando modalidades existentes e destacando atletas brasileiros vencedores de medalhas de ouro e principais precursores no Brasil. Além de ressaltar a importância do Time São Paulo, formado por atletas vinculados ao Estado e da construção do Centro de Treinamento Paralímpico, localizado no Parque Estadual Fontes do Ipiranga. A exposição contou com audiodescrição.



Foto 1

Na Idade Média os deficientes encontravam abrigo nas igrejas, como o Quasímodo do livro O Corcunda de Notre Dame, de Victor Hugo, que vivia isolado na torre da catedral de Paris.



Foto 1


“A Helena é uma bailarina. Ponto. Não é uma bailarina com deficiência. O Togu não é um pintor com Síndrome de Down, é um pintor. Ponto. Da mesma forma que o Stevie Wonder não é um músico cego, nem o Itzhac Perlman é um violinista cadeirante. Alguém alguma vez se referiu à Beethoven como aquele compositor surdo? Inclusão não tem adjetivos, não tem patologias, nem situação social. Ou é ou não é.” - Fábio Adiron

Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, foi um importante escultor, entalhador e arquiteto do Brasil colonial.

No conjunto das doze esculturas dos profetas, realizado entre 1800 e 1805, estão presentes os quatro principais profetas do Antigo Testamento - Isaías, Jeremias, Ezequiel e Daniel, em posição de destaque na ala central da escadaria - e oito profetas menores, escolhidos segundo a importância estabelecida na ordem do cânon bíblico, sendo eles Baruc, Oseias, Jonas, Joel, Abdias, Amós, Naum e Habacuc.

Dez dentre eles apresentam o mesmo tipo físico: um jovem de rosto esguio e traços elegantes, maçãs do rosto salientes, barbas aparadas e longos bigodes. Somente Isaías e Naum aparecem como velhos de longas barbas.

Todos também trajam túnicas semelhantes, decoradas com bordados, salvo Amós, o profeta-pastor, que usa um manto do tipo dos trajes de pele de carneiro encontrados entre os camponeses da região do Alentejo. Daniel, com o leão a seus pés, também se destaca no grupo e pela perfeição de seu acabamento

“O que o Aleijadinho efetivamente deixou representado nesta obra foi uma dinâmica postural de oposições e correspondências. Cada estátua representa um personagem específico, com sua própria fala gestual. Mas apesar dessa independência no espaço representativo e até mesmo no espaço físico, elas mantêm um diálogo corporal, formando uma unidade integrada na dança profética da anunciação da vida, morte e renascimento".Soraia Silva

Todo o conjunto do Santuário de Bom Jesus de Matosinhos, onde estão os Profetas, é um Patrimônio da Humanidade, conforme declaração da UNESCO, além de ser tombado pelo IPHAN.

Evento - Como todo ano, a Celophane Cultural apoia a 4ª Virada Inclusiva com uma instalação cenográfica. Este ano estão expostos estandartes com os 12 profetas de Aleijadinho, até o dia 8 de janeiro de 2014, no Memorial da Inclusão (av. Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10 – Barra Funda/SP).


Foto 1


A presença de Frida Kahlo introduz a luta de uma mulher vitimada pela poliomelite em momento de transformações sociais no México. Viiveu intensamente as alegrias e as dores de seu tempo tornando-se ícone da sua cultura, de seu povo e do mundo.

Agradecemos ao Consulado do México em São Paulo por ter viabilizado a autorização para a utilização das imagens.
Realização:

Secretaria Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Elza Ambrósio; Ana Lucia Segamarchi e Flávia Vidal.



Apoio:

Consulado General de México en São Paulo – Fernando de La Torre

Banco do México Diego Rivera & Friuda Kahlo Museums Trust

Museu Dolores Olmedo

Condomínio do Conjunto Nacional

Design e Cenografia: Jefferson Duarte – Celophane…

Impressão e apoio Cultural: Olhar Digital

Imagem do gato: Yago Barbosa.

Ziraldo Alves Pinto nasceu no dia 24 de outubro de 1932, em Caratinga, Minas Gerais. Começou sua carreira nos anos 50 em jornais e revistas de expressão, como Jornal do Brasil, O Cruzeiro e Folha de Minas. Além de pintor é cartazista, jornalista, teatrólogo, chargista, caricaturista e escritor.

A fama começou a vir nos anos 60, com o lançamento da primeira revista em quadrinhos brasileira feita por um só autor: A Turma do Pererê. Durante a Ditadura Militar (1964-1984) fundou com outros humoristas O Pasquim - um jornal não-conformista que fez escola, e até hoje nos deixa saudades. Seus quadrinhos para adultos, especialmente The Supermãe e Mineirinho - o Comequieto, também contam com uma legião de admiradores.

Em 1969 Ziraldo publicou o seu primeiro livro infantil, FLICTS, que conquistou fãs em todo o mundo. A partir de 1979, concentrou-se na produção de livros para crianças e, em 1980 lançou O Menino Maluquinho, um dos maiores fenômenos editoriais no Brasil de todos os tempos. O livro já foi adaptado, com grande sucesso, para teatro, quadrinhos, ópera infantil, videogame, Internet e cinema. Uma seqüência do filme deve ser lançada em breve!

Os trabalhos de Ziraldo já foram traduzidos para diversos idiomas, como: inglês, espanhol, alemão, francês, italiano e basco, e representam o talento e o humor brasileiro no mundo, estão até expostos em museu!
Fonte: http://www.ziraldo.com.br/