7ª Virada Inclusiva



Por que realizar a VIRADA INCLUSIVA? Porque além de celebrar o DIA INTERNACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA, 03 de dezembro; incentiva e possibilita que pessoas com e sem deficiência possam estar juntas em ações inclusivas nas ruas, praças, parques, museus, teatros, salas, metrô, e todos os espaços possíveis.
Idealizado e coordenado pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, o evento é gerido pela Abaçaí Organização Social de Cultura e conta com uma ampla rede de parceiros e colaboradores voluntários, dos mais diversos setores, que realizam inúmeras atividades culturais, esportivas e de lazer, criando uma extensa grade de programação acessível, que começou no Estado de São Paulo e vem se ampliando em uma grande celebração internacional.
Desde 2010, a Virada Inclusiva reúne pessoas que acreditam e buscam uma sociedade para TODOS e juntas, cantam, dançam, caminham, andam de bicicletas adaptadas ou comuns, jogam, participam e assistem às inúmeras atividades oferecidas durante os dias em que acontece a Virada Inclusiva. São três dias, nos quais a sociedade pode vislumbrar e experenciar a inclusão, pré-requisito para uma sociedade sustentável.
A VIRADA INCLUSIVA cresce a cada ano, sinal de que cada vez mais pessoas estão aderindo ao movimento pela inclusão da pessoa com deficiência. Isso é fruto do trabalho de todos os nossos parceiros que acreditaram ser possível realizar atividades para TODAS as pessoas.
Chegamos à 7ª edição! De uma para outra os resultados mostram que estamos no caminho correto. Aos que já participam o nosso MUITO OBRIGADO! Aos que ainda não participam, fica aqui o nosso convite para que faça parte deste momento que representa dizer não para a exclusão e os modos variados em que ela se apresenta e um gigante SIM para a verdadeira inclusão.

Fique atento à programação que será realizada nos dias 02, 03 e 04 de dezembro de 2016.

Porque flicts é a cor oficial da Virada?
Flicts é o título de um dos livros mais conhecidos do escritor Ziraldo. Existe uma forte sintonia entre a obra e o espírito do evento.
No livro, Flicts era uma cor discriminada porque "não tinha a força do Vermelho, não tinha a imensidão do Amarelo, nem a paz que tem o Azul" até o dia em que percebeu que era, na verdade, a cor da Lua.